Tags

, , , , ,

Alguns textos atrás eu escrevi sobre Holden Caulfied, protagonista do livro Apanhador no Campo de Centeio. Aí fiquei com vontade de escrever sobre dois herdeiros dele que conheci de um ano para cá. São eles Christopher Boone e Oliver Tate, dos livros O estranho caso do cachorro mortoSubmarino. Até para mim parece estranho juntar Christopher e Oliver numa mesma frase, porque eles são bem diferentes, mas ao mesmo tempo o que os faz apelativos para nós é aquele mesmo motivo pelo qual amamos o Holden: são dois esquisitos perdidos num mundo que não entendem e que, mais ainda, não os entendem. Além disso, os dois livros se parecem, ao meu ver, porque possuem vozes únicas e interessantes, os dois são engraçados e tocantes, além de falarem a linguagem da atual geração.

Oliver Tate, herói de Submarino, escrito por Joe Dunthorne, é um adolescente extremamente inteligente e também bastante insensível. Ele faz questionários para conhecer melhor os outros, controla a vida sexual dos pais para saber como anda o casamento, examina a reação e os sentimentos dos outros de maneira fria, sente-se mais inteligente e capaz do que todos ao seu redor. Nunca é dito no livro, mas provavelmente ele tem algum distúrbio de personalidade (já vi falarem em algum grau de autismo ou sociopatia) e isso é o mais interessante no livro. Porque toda obra, especialmente as escritas em primeira pessoa (que é o caso desses livros), precisa de uma voz única, envolvente e charmosa. Oliver Tate  é um adolescente com uma moral problemática e ações ainda mais. Ao contrário da maioria dos livros com protagonistas adolescentes, eu tive a clara impressão que a história de Submarino não é sobre crescer, mas sobre descobrir-se um adolescente. Oliver se acha mais adulto que todos ao seu redor, tanto que tem a necessidade de controlá-los, mas isso vai se desfazendo com o passar da história e, no fim, ele percebe que é só um menino – talvez mais inteligente que os outros, mas ainda só um menino.

Descobri recentemente que mamãe tem digitado nomes de doenças mentais ainda não inventadas no buscador Yahoo: “adolescente com síndrome delirante”, “problema de imaginação hiperativa”, “estabilizadores comportamentais holísticos”.

Se o sujeito digite “adolescente com síndrome delirante” no Yahoo, a primeira página que ele lhe oferece tem a ver com a Síndrome de Cotard. A Síndrome de Cotard é uma ramificação do autismo em que as pessoas acham que estão mortas. O site oferece algumas citações seletas de vítimas da doença. Durante algum tempo, andei introduzindo essas frases no hiatos de conversa na hora do jantar, ou quando a mamãe perguntava por meu dia na escola.

“Meu corpo foi substituído por uma concha.”

“Meu órgãos internos são de pedras.”

“Faz anos que eu morri.”

(Submarino, Joe Dunthorne)

Christopher Boone, de O estranho caso do cachorro morto (escrito por Mark Haddon), também tem uma voz única e estranha. Em comum com o caso de Oliver, não é dito exatamente o que Christopher tem, mas é possível perceber que ou tem Asperger ou algum grau de autismo. É um garoto muito bom em matemática, adora números primos (os capítulos do livro são em números primos) e tem uma dificuldade gigantesca em entender o mundo e as pessoas ao seu redor, ao mesmo tempo em que este mundo também não o entende. Ele acaba encontrando o cachorro da vizinha morto e, porque se torna suspeito de ter cometido o ato, resolve investigar e achar o verdadeiro culpado. No meio dessa “trama policial” (que fica muito mais interessante ao ser contada pelo ponto de vista do próprio Christopher) está o verdadeiro coração do livro: a relação de Christopher com seu pai e sua mãe, cujo casamento acabou por conflitos criados devido à deficiência do menino. É também uma sensível história sobre descobrir-se mais corajoso, competente e capaz de muito mais coisas do que os outros, e você mesmo, acham.

Eu sei que posso fazer isto porque eu fui para Londres sozinho, porque resolvi o mistério de Quem matou Wellington?, encontrei a minha mãe, sou corajoso e escrevi um livro, o que quer dizer que eu posso fazer qualquer coisa.

(O estranho caso do cachorro morto, Mark Haddon)

Livro: Submarino (Submarine – 2008)
Autor: Joe Dunthorne
Editora: Record (2011)

Livro: O estranho caso do cachorro morto (The Curious Incident of the Dog in the Night-Time – 2003)
Autor: Mark Haddon
Editora: Record (2004)

Anúncios